Notícias

Ateliê Editorial publica obra fundamental de Koichi Kishimoto sobre a perseguição de imigrantes japoneses no Brasil durante a Segunda Guerra Mundial

Isolados em um Território em Guerra na América do Sul é uma leitura importante de vozes que foram silenciadas e aprisionadas durante um período terrível da história do século XX

Ateliê Editorial publica a obra Isolados em um Território em Guerra na América do Sul, de Koichi Kishimoto. Com a tradução de Seisiro Hasizume, notas e caderno fotográfico de Alexandre Kishimoto, capa de Camyle Cosentino e imagem de Zen Garden. A obra relata as histórias de vida da imigração japonesa no Brasil, sendo um retrato memorial da repressão pelos imigrantes japoneses e seus descendentes durante a Segunda Guerra Mundial.

A obra está com desconto especial no site da Ateliê Editorial: De R$94,00 – Por R$65,80 (Clique aqui).

O autor não se limita a descrever as experiências pessoais, segundo o professor e escritor Oscar Nakasato: “Kishimoto era um ótimo ouvinte. Ele recolheu histórias – grande parte nas celas de prisão onde esteve – e as traduziu em dezenas de breves narrativas, muitas vezes pungentes, que testemunham o sofrimento de pessoas que foram injustamente privadas de direitos individuais básicos, como o da expressão de pensamentos, ou que foram perseguidas e presas simplesmente por serem japonesas”. Ele acrescentou ainda “o relato de aproximadamente cinco anos de processo que sofreu com ameaça de cassação do título de naturalização brasileira e de deportação.

Segundo o jornalista e editorialista d’O Estado de S. Paulo, Jorge J. Okubaro: “Chega a surpreender que, com tanta repercussão à época de seu lançamento, em setembro de 1947, Isolados em um Território em Guerra na América do Sul tenha sido quase apagado da história da presença dos japoneses no Brasil”. E complementa: “O livro é uma descrição fortemente balizada pelas crenças, convicções e formação pessoais dos que a fazem e é, por isso mesmo, tão relevante, pois nos permite, à distância de muitas décadas, rever o ambiente e as condições em que os imigrantes japoneses que vieram para o Brasil durante a Segunda Guerra construíam suas vidas e alimentavam seus sonhos – ou deles se desfaziam, por escolha ou necessidade”.

Isolados em um Território em Guerra na América do Sul é uma leitura importante de vozes que foram silenciadas e aprisionadas durante um período terrível da história do século XX. A obra consolida o primordial texto narrativo de Kishimoto, cujos relatos trazem para o público protagonistas e memórias profundas nipo-brasileiras.

O AUTOR

Koichi Kishimoto nasceu em 1898 na cidade de Shibata, província de Nigata, Japão. Chegou ao Brasil no dia 13 de setembro de 1922, com a esposa e uma filha, radicando-se no noroeste do estado de São Paulo, nas proximidades de Promissão. De agricultor, passou a lecionar japonês. Foi para a capital para estudar português. Candidatou-se a uma vaga de professor da escola primária, sendo aprovado. Em 1931, inaugurou o Gyosei Gakuen (Liceu Aurora), que tinha licença para funcionar como escola regular. Naturalizou-se brasileiro. Lançou a revista Koya, em japonês. Além do livro Nambei no senya ni koritsu shite (Isolados em um Território em Guerra na América do Sul), publicou outros 9 livros em japonês, tendo como tema o Japão ou viagens pelo Brasil e América do Sul. Recebeu comendas de Honra ao Mérito do governo japonês, do Instituto Histórico e Geográfico e da Sociedade Geográfica Brasileira. Após seu falecimento em 1977, foi homenageado com o nome de uma rua na Vila Morais, homologado pela Prefeitura do município de São Paulo. No Japão, houve a publicação de um livro sobre sua vida e da versão atualizada do Nambei no senya ni koritsu shite.

Koichi Kishimoto

LANÇAMENTOS

A Ateliê Editorial, Livraria da Vila, juntamente com a família Kishimoto, realizam o lançamento da obra Isolados em um Território em Guerra na América do Sul, no sábado, 10 de dezembro, a partir das 18h, na Livraria da Vila da Lorena (Alameda Lorena, 1501, Jardim Paulista).

Também haverá um segundo lançamento no auditório do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, na terça-feira, dia 13 de dezembro, a partir das 19h. Trata-se de um evento público com palestras de Jorge Okubaro e Massayuki Fukasawa, que escreveram os textos de apresentação do livro, Alexandre Kishimoto representando a família, e mediação da jornalista integrante da COJIRA – Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial, Claudia Alexandre. O presidente do sindicato dos jornalistas do estado de São Paulo, Tiago Tanji, fará parte da mesa dos trabalhos.

TRECHO DA OBRA

Era simplesmente indescritível a dor que um detento estava suportando, cuja família (esposa e filhas), abandonada na rua da amargura, vagava de um lugar para outro. O caso do senhor I., de 38 anos, companheiro de cela, é um bom exemplo. Há cinco anos, ele tinha vindo de Tóquio como imigrante. Havia prestado o serviço militar como soldado da força aérea japonesa e tinha exercido funções de instrutor para motoristas de veículos da polícia. Despretensiosamente, mostrou a vizinhos brasileiros fotos em que aparecia ao lado de generais e oficiais graduados do exército japonês.

Foi o começo do seu infortúnio, pois, após o rompimento das relações diplomáticas entre Brasil e Japão, aqueles vizinhos o denunciaram à polícia dizendo: “I. é um capitão da força aérea japonesa que veio ao Brasil enviado pelos dirigentes militares para atuar como espião”. Condenado, ficou nove meses encarcerado na Ilha das Flores, prisão localizada numa ilhota longe do litoral, no Rio de Janeiro, e em seguida foi encaminhado para a prisão do Deops, de São Paulo, dividindo a cela comigo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *