Notícias

LANÇAMENTO: ‘Os Admiradores Desconhecidos de “La Nouvelle Héloïse”’, de Daniel Mornet – volume 7 da Coleção Bibliofilia

A Ateliê Editorial junto com a Edições Sesc estão lançando cinco obras da Coleção Bibliofilia: Bibliofilia e Exílio, de Mikhail Ossorguin, A Vida Notável e Instrutiva do Mestre Tinius, de Johann Georg TiniusOs Admiradores Desconhecidos de “La Nouvelle Héloise”, de Daniel MornetAs Paisagens da Escrita e do Livro, de Frédéric Barbier, e As Bibliotecas Particulares do Imperador Napoleão, de Antoine Guillois. A Coleção, organizada pelos professores Plinio Martins Filho e Marisa Midori Deaecto, tem textos foram traduzidos pela primeira vez no país, as capas são artesanais, coladas uma por uma com serigrafia inédita e confeccionadas pela Casa Rex (Gustavo Piqueira e Samia Jacintho).

Em Os Admiradores Desconhecidos de La Nouvelle Héloïse, Daniel Mornet quebra a distância fria que amiúde se instala entre o Autor e o Leitor. A matéria-prima para a escrita deste ensaio vigoroso e original, publicado em 1909, foram as copiosas cartas que Jean-Jacques Rousseau recebeu dos leitores de seu romance epistolar, objeto de notável sucesso e que despertou a sensibilidade romântica do público no último quartel do século XVIII. 

Daniel Mornet (1878-1954) historiador e crítico literário da literatura francesa. Foi professor no Lycée de Toulouse. Participou da Primeira Guerra Mundial, como tenente, publicando o livro Trincheiras de Verdun (1918) relatando a experiência. Daniel Mornet lecionou na Sorbonne. Ele também foi presidente da Société d’histoire littéraire e diretor da Revue d’histoire littéraire de la France (1922-1945). Daniel Mornet trabalhou principalmente sobre a história literária do século XVIII e contribuiu notavelmente para a questão das origens intelectuais e ideológicas da Revolução Francesa. O papel determinante que desempenhou neste campo foi o exame de uma fonte até então negligenciada: os catálogos das bibliotecas particulares leiloadas entre 1750 e 1780. O objetivo apresentado por Mornet era identificar quais eram as obras realmente lidas pelos franceses da época, obras que poderiam legitimamente ser consideradas como a matriz da grande convulsão revolucionária. No entanto, Daniel Mornet esqueceu algumas características importantes de sua coleção de fontes. Na verdade, esses catálogos foram parcialmente retirados de seus títulos mais controversos. Espontaneamente, os herdeiros evitavam leituras contrárias aos bons costumes para não prejudicar a memória do falecido. Caso contrário, foi o Estado que impôs tal censura. Assim, os regulamentos da Livraria Real estipulavam que qualquer catálogo de livros colocados em leilão tinha que passar antes de sua impressão sob os garfos caudinos da censura: “qualquer violação da ortodoxia, qualquer ideologia subversiva foi, portanto, apagada antecipadamente das próprias fontes. onde Mornet procurava vestígios ”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *