Fora de estoque

Sátira e o Engenho, A – Gregório de Matos e a Bahia do Século XVII

R$ 79,50

Fora de estoque

Os românticos retrataram Gregório de Matos como um escritor ébrio, boêmio e obsceno. Afastando-se desses clichês, Hansen analisou a obra do poeta barroco em confronto com a retórica do período, com suas regras específicas de obscenidade e maledicência. O autor, professor da USP, apresenta também um rico painel cultural e político da Bahia oitocentista. Para isso, comenta tratados retóricos e documentos da época, como denúncias contra Gregório ao Santo Ofício e atas da Câmara de Salvador.

Coedição: Editora Unicamp

Descrição

Descrição

Prefácio — Leon Kossovitch

Agradecimentos

Nota à 2ª Edição

Um Nome por Fazer
A Murmuração do Corpo Místico
A Proporção do Monstro
O Ornato Dialético e a Pintura do Misto
Os Lugares do Lugar

Bibliografia

Informação adicional

Informação adicional

Peso

1 , 015 kg

Dimensões

16 × 23 cm

Encadernao

ISBN

85-7480-136-4

Pginas

528

Edio

Ano

2004

Encardenao

Brochura

Avaliações (0)

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Sátira e o Engenho, A – Gregório de Matos e a Bahia do Século XVII”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Autores

Autores

João Adolfo Hansen

João Adolfo Hansen

João Adolfo Hansen é professor titular de Literatura Brasileira na Universidade de São Paulo, com trabalhos inovadores sobre Guimarães Rosa e sobre literatura do período colonial, especialmente Gregório de Matos e Antônio Vieira. Pela Ateliê Editorial publicou A Sátira e o Engenho - Gregório de Matos e a Bahia do Século XVII e Estudos sobre Vieira. [Foto: USP Imagens]

Carrinho
Entrar

Não tem uma conta?